X

MENU

As estatísticas mundiais apontam que, em todo o mundo, anualmente 1,2 milhão de pessoas morrem no trânsito de acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde). Para cada pessoa que morre, muitas outras sofrem acidentes não fatais, e destas, algumas delas sofrerão incapacitação permanente.

No Brasil, estima-se, de acordo com dados disponibilizados pelo Ministério da Saúde, e pela Seguradora Líder (DPVAT), entre 40.000 e 50.000 pessoas morrem em acidentes de trânsito anualmente, e quase 600.000 ficam feridas.

As estatísticas nos mostram que o “fator humano” figura como o principal responsável pelos números alarmantes de acidentes de trânsito, visto que, os acidentes em sua grande maioria ocorrem em situações de boa visibilidade, em retas, de dia, ou seja em situações que a imprudência, a imperícia e a negligência do condutor foram fatores decisivos  para a ocorrência dos mesmos.

Origem da Direção Defensiva
Estudo técnico criado nos Estados Unidos da América (EUA) aproximadamente na década de 50, com objetivo de reduzir os índices de acidentes e proporcionar uma pilotagem mais segura e sensata.

Existem várias precauções que o motorista deve tomar desde o início do percurso até o seu destino para que não tenha surpresas durante o seu desenrolar, realizando o trajeto sem, DESCORTESIA, INFRAÇÕES, ABUSOS, ATRASOS, evitando assim envolver-se em  ACIDENTES

Quando se afirma que um acidente é evitável, levanta-se a seguinte questão:
Evitável por quem?

• Detran.
• Engenharia de Trânsito.
• Prefeito.
• Governo.
• Pedestre.
• Auto Escolas.
• Polícia de Trânsito.
• E o principal somos nós (Condutores).

A maioria dos acidentes é causada por falha humana logo podemos dizer que: 

“Acidente evitável é aquele que você deixou de fazer tudo que razoavelmente deveria ter feito para evitá-lo”.

Direção Defensiva - É dirigir de modo à evitar acidentes, apesar dos erros dos outros e das condições adversas enfrentadas.

O motorista defensivo reconhece que não tem nenhum domínio sobre as ações irrefletidas de outros condutores ou pedestres, nem sabe as condições do tempo nem das estradas, e então desenvolve várias práticas defensivas contra todos esses riscos.

• A Direção Defensiva divide-se em duas partes que são:
1. Preventiva.
2. Corretiva.

Direção Preventiva - é a atitude permanente do condutor que, deverá observar, prever e decidir sobre as condições do trânsito, evitando assim envolver-se em acidentes.

Direção Corretiva - é a atitude que o condutor deverá adotar ao se defrontar com a possibilidade de acidentes, corrigindo uma situação não prevista.

Tipos de atenção

1. Atenção fixa - a fixação do condutor é somente em linha reta, esquecendo-se das laterais e retaguarda.

2. Atenção dispersiva - é quando o condutor dirige distraidamente.

3. Atenção difusa - quando o condutor observa em todos os sentidos (alerta).

Causas de Acidentes

1. Imperícia - consiste na falta de técnica para dirigir, ou pouca habilidade ao volante

2. Imprudência - é quando o motorista imprime velocidade excessiva, avança sinais, ultrapassa em locais e condições inadequadas e etc.

3. Negligência - é quando o motorista mesmo sabendo que seu veículo não tem condições de uso, mesmo assim o conduz em vias públicas ou, não encontrando-se em condições (cansaço - fadiga - sono - alcoolizado - etc.), insiste em dirigir.

Condições Adversas -  São condições contrárias ao motorista.

1. Luz - sol, farol alto, reflexos.

2. Tempo - neblina, chuva, granizo, vento, cerração.

3. Via - falta de acostamento, buraco, má sinalização.

4. Trânsito - acidente, falta de transporte coletivo, obras.

5. Veículo - amortecedores, sinalização, pneus, freio.

6. Motorista - doenças, drogas, fadiga, álcool, sono.

1. Luz - A intensidade da luz natural ou artificial pode prejudicar a visão do motorista, provocando uma situação de risco. A incidência da luz natural (sol), diretamente sobre os olhos do motorista, reflexos da luz solar em objetos, o farol alto (luz artificial), em sentido contrário, podem ofuscar a visão do motorista, levando-o a uma cegueira momentânea, que pode durar entre 4 e 7 segundos.

• Defesa
• Quando for viajar, se possível planeje os horários para que o sol não o incomode durante o trajeto.
• Na incidência da luz natural (sol) usar óculos escuros, pala solar. Em caso de crepúsculo, ligue os faróis.
• No caso de farol alto em sentido contrário deve-se primeiramente piscar os faróis (lampejar) avisando ao motorista que vem em sentido oposto, caso a situação persista devemos: reduzir a velocidade, voltar a visão para a linha de bordo da via, não olhar diretamente para os faróis opostos.

2. Tempo - Essa condição adversa está ligada às condições atmosféricas: chuva, cerração, neblina etc. Todos esses fenômenos reduzem muito a capacidade visual do motorista, tornando-lhe difícil de “ver e ser visto”, além de tornar a pista escorregadia. Tais condições podem tornar-se tão extremas que o impossibilitem de ver as margens de rodovias e ou faixas divisórias.

• Defesa
• Reduzir a velocidade e acender faróis baixos (nos casos de neblina o ideal é manter os faróis baixos e utilizar, caso seu veículo possua, os faróis de neblina).
• Limpador de parabrisa, desembassador.
• Em casos extremos (chuva forte) analise as condições da estrada para optar entre parar em local seguro e aguardar a melhoria do tempo ou seguir.
• Se for parar procure locais próprios para isto, como postos, estacionamentos, etc.

3. Via - O motorista deve ajustar-se as condições da via. Tem que reconhecer o seu estado, contorno, largura, acostamento, se possui ou não sinalização, etc. Se não conhecer a via, ande devagar.

• Defesa
• Atenção, informação.
• Velocidade compatível com as condições da via.

4. Trânsito - As condições do trânsito envolvem a presença de outros usuários da via, que podem interferir no comportamento do motorista. Como o trânsito pode estar fácil ou congestionado, a velocidade exigida pode ser alta ou baixa.

• Defesa
• Procurar vias alternativas evitando pistas saturadas por tráfego intenso.
• Manter distância de segurança.
• Procurar melhor horário evitando os horários de “rush”.
• Ajustar a velocidade de acordo com a fluidez do trânsito.

5. Veículo - O motorista defensivo deve manter o seu veículo em condições de reagir eficientemente a todos os comandos, pois não é possível dirigir com segurança um veículo defeituoso.

Os defeitos mais comuns que podem causar acidentes são:
• Pneus lisos, freios desregulados, lâmpadas queimadas, limpador de parabrisa com defeito, falta de buzina, falta de retrovisor, suspensão; amortecedores e direção com problemas, etc.

• Defesa
• Manutenção preventiva.

 

6. Motorista - Finalmente a mais importante condição adversa a ser considerada é a do motorista, ou o estado em que ele se encontra, isto é, se está física e mentalmente em condições de dirigir um veículo com segurança. Dentre as situações que oferecem maior risco destacamos:
• Condições Físicas:
• Fadiga.
• Sono.
• Visão deficiente.
• Ingestão de bebida alcoólica, medicamentos e etc.

• A fadiga é a grande inimiga dos motoristas. A monotonia, que se dá em estradas principalmente à noite, a intensidade de trabalho (stress), viagens longas sem descanso, etc, podem levar o motorista a dormir ao volante causando inúmeras fatalidades.

• Abusos na ingestão de bebidas alcoólicas:
A ingestão de bebidas alcoólicas causa  uma sensação estimulante nas pessoas. Quando chega ao estômago, o álcool é logo absorvido e transportado para a corrente sanguínea, chegando rapidamente ao cérebro. Cria um excesso de autoconfiança, reduz o campo de visão e altera a audição, a fala e o senso de equilíbrio. A aparente euforia que domina a pessoa, chamada “excitação alcoólica”, nada mais é do que a anestesia dos centros cerebrais controladores do comportamento.

O organismo elimina o álcool pela transpiração (10%) e pela oxidação (90%). A oxidação ocorre principalmente no fígado, e o processo de eliminação num tempo determinado não pode ser acelerado por exercícios físicos, café forte, banho frio ou remédios. Esses recursos populares servem somente para transformar “um ébrio sonolento num bêbado acordado”. A única maneira de eliminar a bebida alcoólica é esperar o tempo necessário para a transformação do álcool pelo fígado, em água e posteriormente ser eliminado.

SE BEBEU NÃO DIRIJA, SE VAI DIRIGIR NÃO BEBA!

Condições Mentais:
• Estado emocional • Preocupação • Medo

• Atos inseguros do motorista:

São atitudes do condutor que contrariam normas de segurança:
• Conduzir o veículo usando apenas uma das mãos.
• Apanhar objetos dentro do veículo em movimento.
• Espantar insetos com o veículo em movimento.
• Usar telefone celular ao dirigir, etc.

- Automatismo
São ações (reflexos) efetuadas pelo condutor de maneira não consciente.

• Automatismo correto - posicionar-se de maneira correta conduzindo o veículo, engrenar as marchas corretamente, sinalizar ao fazer manobras, etc.

• Automatismo incorreto - deixar de sinalizar ao mudar de direção, segurar o volante com apenas uma das mãos, manter o pé apoiado no pedal de embreagem, etc.

Postura Correta - É importante que você esteja numa posição confortável sem tensão no corpo
1- Ajuste os espelhos retroisores com cuidado, principalmente se o carro não for aquele que você dirige sempre. 
2 - Coloque o cinto de segurança e verifique se os outros passageiros também estão com ele afivelado.
3 - O encosto de cabeça não é enfeite: ele evita lesões na coluna em caso de colisão traseira. Ajuste-o em poisção reta e na altura dos olhos.
4 - Os braços e as pernas não devem estar muito esticados, e sim ligeiramente arqueados.
5 - As costas precisam estar bem coladas ao banco, e este formando um ângulo reto com o assento. Caso contrário, a visibilidade e os movimentos podem ficar comprometidos.
6 - O pé deve chegar até o fim do pedal de embreagem sem esforço.

(Lembre-se Você só deve manter o pé sobre o pedal da embreagem se for utilizá-la, caso contrário mantenha-o no “assoalho” para proporcionar mais firmeza e segurança.)

 

• Defesa
• Ao dirigir e sentir fadiga, sono, pare para descansar.
• Procure não dirigir se estiver com algum problema emocional, se ingeriu bebida alcoólica ou algum tipo de medicamento.

AUTOCONTROLE, RAZÃO E CONSCIÊNCIA

Dirigir defensivamente, é reconhecer os possíveis imprevistos e procurar evitá-los a tempo de protegê-lo. Portanto deixe as condições lhe mostrar como dirigir.

Elementos da Prevenção de Acidentes

• Conhecimento - das leis e regras de trânsito, das vias, do veículo que você dirige e dos riscos e a maneira de defender-se deles.

• Atenção - mantenha-se sempre alerta quando estiver dirigindo.

• Previsão - preveja situações de risco  e livre-se delas.

• Decisão - tomar a decisão certa, escolhendo a melhor alternativa para evitar ou amenizar os efeitos de um acidente.

• Habilidade - este requisito diz respeito a automatismos corretos adquiridos na prática de direção de um veículo.

Método Básico da Prevenção de Acidentes
• Prever o perigo.
• Descobrir o que fazer.
• Agir a tempo.

Interação Condutor-Veículo
• Equipamentos obrigatórios / de segurança - pala-solar, cinto de segurança, retrovisores, etc (certificar-se do seu estado).
• Inspeção do veículo - deve ser feita diariamente pelo condutor.
• Equipamentos de informação:
• Visual - retrovisores, faróis, painel de controles, etc.
• Auditivo - rádio.
• Equipamentos de comunicação:
• Luminosa- pisca-pisca, faroletes, luz de freio, luz de ré, pisca-alerta.
• Sonora - buzina, sirene, sinais de apito, etc.
• Acessórios - rádio, ventilador, ar-condicionado, lanterna, etc.

Dirigir calçado adequadamente, com sapatos que se firmem nos pés.

Ergonomia

É o constante aprimoramento da indústria automobilística, visando mais conforto e segurança aos condutores, como também aos ocupantes em geral. 
Exemplos: direção hidráulica, sistema de freio ABS (anti-bloqueio), sistema de ventilação, etc.

Tipos de Colisão

As colisões entre dois veículos, estão classificadas pela Direção Defensiva, de acordo com a sua posição, que são:

a) Colisão com o veículo da frente.

b) Colisão com o veículo de trás.

c) Colisão com o veículo em sentido contrário (frente a frente).

d) Colisão com o veículo nos cruzamentos.

e) Colisão com o veículo ao ultrapassar.

f) Colisão com o veículo ao ser ultrapassado.

• Além desses tipos de Colisão, temos ainda:
• Colisão misteriosa.
• Atropelamentos.
• Colisão com trens.
• Colisão com motocicletas etc..

a) Colisão com o veículo da frente: neste tipo de colisão o veículo choca-se com aquele que vai a sua frente. O motorista defensivo evitaria facilmente este tipo de acidente mantendo a distância adequada. As condições do trânsito encontradas pelos motoristas são as mais diversas, por isso o veículo que segue a nossa frente, pode parar bruscamente, por se envolver em uma situação de emergência, neste caso precisaremos de um espaço suficiente para percebermos uma situação de risco, reagirmos e pararmos o veículo, evitando a colisão.

FIQUE ATRÁS E FIQUE SEGURO

• 4 pontos para se evitar colisão com o veículo da frente:

1. Fique alerta - observe os sinais do veículo que você segue.

2. Domine a situação - olhe além do veículo que segue.

3. Mantenha distância 

4. Comece a parar mais cedo - ao perceber algum perigo antecipe-se na frenagem

• Distância de reação - é a distância percorrida pelo veículo do momento que visto o perigo até o condutor tomar uma atitude (reagir).

• Distância de frenagem - é a distância percorrida pelo veículo desde o acionamento do freio, até a parada do veículo.

• Distância de parada - é a distância percorrida do momento que, visto o perigo, até a efetiva parada.

• Distância de seguimento - é a distância entre um veículo e o que segue a sua frente.

- Regras para manter a distância:

2 segundos para veículos até 6 metros.
3 segundos para veículos de 7 a 9 metros.
4 segundos para veículos de 10 a 12 metros.

Em caso de condições adversas, dobrar a distância.

b) Colisão com veículo de trás: Uma das principais causas de colisão traseira é o mau hábito de alguns motoristas tem de dirigir colados ao veículo da frente. O motorista defensivo não leva em consideração o dito popular: “quem bate atrás, está errado”, pois em um acidente desta natureza o motorista certo pode levar a pior.

O motorista defensivo sabe que ver o tráfego atrás e aos lados, é tão importante quanto vê-lo a frente, por isso ao adentrar em seu veículo imediatamente já regula os seus retrovisores, de forma que possa ter completo domínio do que vem atrás.

• Regule os retrovisores do veículo antes de dar a partida.

• Regule também os encostos da cabeça, lembre-se: em uma batida por trás o impacto lançará sua cabeça violentamente, podendo causar uma fratura séria no pescoço.

• Evite manter bagagens no interior do veículo 
que  venha a atrapalhar a sua visão.

• Ao mudar de faixa, além de certificar-se pelos 
retrovisores, dê uma rápida olhada (vire a cabeça) para o 
lado que pretende entrar, para cobrir o ponto cego.

FIQUE SEGURO COM O VEÍCULO DE TRÁS

• 4 pontos para se evitar colisão com o veículo de trás:

1 - Saiba a manobra que vai realizar (planeje o seu trajeto).

2 - Sinalize suas intenções (pise no pedal de freio duas a três vezes antes da efetiva parada).

3 - Pare suave e gradativamente.

4 - Livre-se dos veículos colados.

 

c) Colisão frente a frente: é a pior das colisões, em virtude da velocidade dos dois veículos somarem-se. Geralmente o resultado é a morte dos ocupantes ou graves ferimentos.

Podem ocorrer:
c.1 - Nas retas. 
c.2 - Nas curvas.
c.3 - Nos cruzamentos.

c.1 - Nas retas: a principal causa de acidentes em retas são as ultrapassagens em locais e condições inadequadas, obstáculos na via, motoristas que dormem ao volante, etc. Para defender-se de colisões em retas tome os seguintes cuidados:

• Antever a estrada com atenção.

• Ao dirigir contra uma fila lenta de veículos, aumente sua atenção, pois o motorista pode invadir a contra-mão quando não devia.

• Em vias com duas faixas de tráfego em cada sentido, procure ficar mais a direita.

• Se algum veículo invadir a pista contrária em sua direção, reduza a velocidade, sinalize ao outro motorista, não surtindo efeito, saia para a direita da pista, evite chocar-se de frente.

c.2 - Nas curvas: a reunião de vários fatores, tais como: velocidade, tipo de pavimento, raio de curva, condições dos pneus entre outros, podem levar o veículo a sair de sua mão de direção jogando-o para a contra-mão ou acostamento. Neste caso se o condutor não tomar certas precauções pode vir a perder o controle do veículo, causando um acidente.

Um veículo em movimento está sujeito às atuações das leis da física em seu percurso. Sendo assim, observe os seguintes cuidados:

• Força Centrífuga - se você entrar acelerando em uma curva, seu veículo receberá menos peso (massa) em seu eixo dianteiro, tendendo a desgarrar as rodas dianteiras, podendo sair para fora da curva.

• Força Centrípeta - se você entrar desacelerando ou freiando em uma curva, seu veículo receberá menos peso (massa) em seu eixo traseiro, tendendo a desgarrar as rodas traseiras, podendo ser jogado para dentro da curva.

Procedimento em Curvas:

• Curvas à direita - reduzir a velocidade, manter o veículo mais à direita da via, acelerar suavemente ao entrar na curva, para que a força motriz compense os efeitos da força centrífuga.

• Curvas à esquerda - reduzir a velocidade, manter-se mais ao centro da própria mão de direção, acelerar suavemente ao fazer a curva para que a força motriz compense os efeitos da força centrífuga.

 

Cinto de Segurança

Na maioria das colisões frente à frente, os ocupantes são projetados contra as partes internas ou para fora do veículo, através do para-brisa ou pelas portas, sofrendo com a queda, esmagamento do crânio, fraturas, hemorragias, etc.

 

Tudo isso pode ser evitado com o uso do cinto de segurança.

 

O que o cinto de segurança faz por você: alivia o impacto por suas características de absorver energia, evita em caso de acidentes, que os ocupantes sejam lançados contra as partes internas do veículo ou para fora do mesmo.

c.3 - Nos cruzamentos: Decorre principalmente das manobras realizadas ocupando espaço de quem vem em sentido contrário. 

 

DEFENDA-SE DE COLISÕES EM SENTIDO CONTRÁRIO
1 - Antever a estrada.
2 - Manter-se à direita.
3 - Reduzir a velocidade.
4 - Sair para a direita da estrada se necessário.

 

d. Colisão com veículo nos cruzamentos:

cerca de 1/3 dos acidentes acontecem nos cruzamentos, devido ao grande número dos mesmos no perímetro urbano. Principais causas são:
• Falta de visibilidade.
• Desconhecimento de preferenciais.
• Manobras inesperadas de veículo, etc.

Artigo 44 (C.T.B.) - Ao aproximar-se de qualquer tipo de cruzamento, o condutor de veículo deve demonstrar prudência especial, transitando em velocidade moderada, de forma que possa deter seu veículo com segurança para dar passagem a pedestres e a veículos que tenham direito de preferência.

Macetes para Cruzar
1 - Retire o pé do acelerador e descanse sobre o pedal de freio (diminuindo assim a distância de reação).
2 - Olhe primeiro para a esquerda.
3 - Nunca saia imediatamente se for o primeiro da fila, quando abrir o sinal, aguarde dois segundos.

e. Colisão com veículo ao ultrapassar:

Aproximadamente 50% dos acidentes fatais nas estradas são devido a ultrapassagens mal feitas. O motorista defensivo deve levar em conta dois pontos principais entre outros, antes de efetuar uma ultrapassagem:

Para efetuar uma ultrapassagem segura, observe os seguintes cuidados:
• Verifique os dois sentidos.
• Mantenha distância.
• Sinalize.
• Desloque com um leve toque de buzina ou farol se necessário.
• Antes de mudar de faixa, dê uma rápida olhada (vire a cabeça) para a esquerda, para cobrir o “ponto cego”.
• Para um retorno seguro, verifique no seu retrovisor interno o veículo ultrapassado.

Se estiver na máxima velocidade para que ultrapassar ?

f. Colisão com veículo ao ser ultrapassado:

É dever de todo condutor dar passagem quando solicitada.

• Verifique os dois sentidos.
• Sinalize se há ou não condições.
• Reduza a velocidade e mantenha-se à direita.
• Jamais ao ser ultrapassado acelere seu veículo.
 

• Colisão misteriosa:
É uma colisão que envolve um só veículo.

Causa: A não adaptação do condutor às 
condições adversas.

Aquaplanagem ou Hidroplanagem
É a falta de aderência dos pneus com o pavimento. Ocorre pela combinação de alta velocidade, água e pneus lisos ou largos.

 

Os Dez Mandamentos do Motorista Defensivo

 

1. Conhecer as leis do trânsito e obedecer à sinalização.

2. Usar sempre o cinto de segurança.

3. Conhecer o veículo que está dirigindo e saber como comandá-lo.

4. Manter o veículo sempre em boas condições de funcionamento.

5. Prever a possibilidade de acidentes e ser capaz de evitá-los.

6. Ser capaz de decidir com rapidez e corretamente em situações de perigo.

7. Não aceitar desafios e provocações.

8. Não dirigir cansado, sob efeito de álcool e/ou drogas.

9. Ver e ser visto.

10. Não abusar da auto-confiança.

NEWSLETTER

Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão as atualizações de nossas aulas.

Site desenvolvido por: